A Folhetaria do Centro Cultural São Paulo

Muito provavelmente mais da metade dos relatos que farei por aqui diz respeito ao Centro Cultural São Paulo, espaço que trabalhei durante quase 13 anos. Um projeto muito especial em que me envolvi se chama “Folhetaria” e está na ativa até hoje.

A cabeça do projeto é atual diretora da educativo da instituição, Adriane Bertini. Um dia, ela me chegou dizendo que havia máquinas de impressão antigas aposentadas pela Gráfica Municipal. A ideia, na época em que vieram, era criar uma área de oficinas focadas em artes gráficas.

Com o avanço do digital, estava claro que estudantes, principalmente de design, poderiam não experimentar o que era criar impressões de forma analógica. Eu mesmo que vivi as duas épocas (analógico/digital) percebo que é o tipo de conhecimento que ajuda a compreender mais profundamente as mídias digitais. Um exemplo simples: muitos dos filtros do famigerado Photoshop vieram de técnicas da fotografia analógica.

Mas a Adriane me advertiu sobre um outro fato: os artistas, aprendendo as técnicas, poderiam subvertê-las e criar pequenas obras. Como a ideia não era produzir em série, podia-se passar o tempo experimentando técnicas e linguagens.

Essa ideia de reaproveitamento e releitura em um ambiente de recursos escassos é bastante potente.

 

O Porão do CCSP

Na gestão do Pena Schmidt e com a Adalgisa Campos então diretora do Educativo, havia um proposta muito interessante.

Toda área do Porão seria um grande espaço/laboratório do Educativo. Já estava instalado o FabLab Livre e a Folhetaria se integraria a Gráfica do CCSP. Havia uma vontade grande também da Marcenaria e outras áreas ditas de manutenção pertencerem a esse grande polo.

A Gráfica do CCSP sempre foi povoada por profissionais capacitados, mas a infraestrutura foi envelhecendo. Havia limitações a variedade de serviços se comparado a gráficas particulares além da burocracia em se manter compras e contratos de manutenção. Então a ideia era que ela fosse parte do Educativo deixando de produzir impressos em massa e passando a ser um espaço de compartilhamento de conhecimento. Gente boa é que não faltava ali.

Então imagine um espaço com todos os equipamentos e pessoas para compartilhar seus saberes. Era essa a ideia do Porão.

Um dos pontos que me surpreendeu nesse projeto foi o foco em deixar que a pessoa que frequentasse o espaço pudesse aprender sozinha, da maneira que achasse melhor, dentro das limitações e objetivos que tinha. É como se procurasse na Internet um tutorial para determinada questão. Claro que os mediadores estavam lá preparados para atender qualquer que fosse a dúvida, mas esse conceito de que as pessoas podem moldar suas próprias trajetórias de aprendizado e que o espaço só precisa disponibilizar recursos foi acima das minhas expectativas.

A gente pensa em oferecer oficinas pensando segundo o que achamos melhor ou que compreendemos demandas do público, mas permitir que as pessoas descobrissem por si próprias através de acesso a recursos criou alguns momentos que me fizeram pensar e refletir que a participação do público é também uma forma de autogestão.

Os frequentadores começaram a cuidar do lugar, tornaram-se mediadores não oficiais e o ponto alto foi quando propuseram entre si cursos sem qualquer interferência da instituição. Um frequentador percebeu uma certa demanda de outros frequentadores e ofereceu para compartilhar seu conhecimento. O espaço promovendo alteridade.

 

Para quem quiser conhecer a Folhetaria:
http://centrocultural.sp.gov.br/site/eventos/evento/folhetaria-atelie-publico/

 

One comment on “A Folhetaria do Centro Cultural São Paulo

  1. Márcio, parabéns pela iniciativa. A vastidão do espaço e das potencialidades do CCSP pedem ocupação e reconhecimento. Diga daí e nos aqui vamos acompanhando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.